Páginas

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Obstrução tubária bilateral

Madrugada adentro
Dentro
Do coração
Escuro no céu
Escuro na boca
Saudade do dia que não veio
Medo do dia que vem
(Cleidinis)


Quando o Bem e eu levamos o resultado do exame para o Dr. Carlos ver, eu já sabia que havia alguma coisa muito errada. Mas ainda havia dentro de mim uma esperança, uma velinha que estava lá acesa ainda. Ele nos recebeu gentilmente, mas nem toda a gentileza do mundo abafaria a dor que senti quando ele nos deu a notícia que abalaria nossas vidas para sempre: eu tinha obstrução tubária. É claro que de início nós não sabíamos direito o que ele queria dizer com aquilo, mas através de gravuras e uma linguagem bastante simplificada ele nos explicou que as minhas tubas estavam como se tivessem sido grudadas, coladas e que, por isso não era possível um encontro natural entre o espermatozóide e o óvulo. Foi então que ele nos falou pela primeira vez sobre o bebê de proveta, mas confesso que eu quase não o escutava mais. Na minha cabeça havia milhares de perguntas: " O que eu fiz de errado?" " Por que isso aconteceu comigo?" "Eu sempre me cuidei tanto, o que houve então?"
O médico explicou que isso pode ser causado por infecção, ou aborto ou até mesmo uma cirurgia na região abdominal. Meu Deus, eu não havia feito, nem tido nada disso. E a única coisa que ainda pairava na minha mente era; "Por que eu?"
Então o Dr. Carlos pediu que eu saísse da sala um pouco pra conversar sozinho com o Bem. Eu não sei o  que ele disse porque o Bem nunca me contou, mas o importante é que meu marido foi imediatamente fazer o espermograma que, graças a Deus, acusou que com ele estava tudo normal. Foi aí que o Dr. Carlos Me passou uns comprimidos e pediu que voltássemos lá em algumas semanas.
Nesse meio tempo, resolvemos procurar uma segunda opinião que, infelizmente, não foi muito diferente. Mas esse outro médico nos deu a esperança de um tratamento que poderia dar certo no nosso caso e nos passou o nome de um médico em Ribeirão Preto e lá fomos nós em busca de um outro caminho.

3 comentários:

  1. Cleidinis, quando desejamos algo muito valioso para nossa caminha seja qual for o desejo, é nos fazermos de surdas diante o que nos é dito, acreditar que somos capazes de realizar, então, somente assim, conseguimos realizar os nossos sonhos!
    Estou na arquibancada torcendo por você!

    ResponderExcluir
  2. Oi, amiga sei que é terrível receber essa notícia, mas Graças a Deus temos a FIV, estou na luta pra concluir este tratamento e espero com fé em Deus q seja na primeira tentativa há mulheres q tentam uma cirurgia pra desobstrução das tubas, já pensou nisso?

    ResponderExcluir
  3. Sim, luana.. já pensei, mas no meu caso esse não é o melhor caminho... Por isso a decisão de retirar as trompas. Mas agora ja foi tbm e está ficando tudo bem.

    ResponderExcluir